Índice de Percepção da Corrupção 2016: Círculo vicioso de corrupção e desigualdade deve ser rompido

Issued by Transparency International Secretariat



Berlim, 25 de janeiro de 2017 - O ano de 2016 mostrou que, ao redor do mundo, a corrupção sistêmica e a desigualdade social reforçam uma à outra, levando à falta de confiança popular nas instituições políticas e gerando um solo fértil para o crescimento do populismo.

Sessenta e nove por cento dos 176 países no Índice de Percepção da Corrupção 2016 alcançaram menos de 50 pontos em uma escala de 0 (percebido como altamente corrupto) a 100 (percebido como altamente íntegro), expondo como a corrupção é massiva e pervasiva do setor público em escala global. Este ano, mais países caíram do que subiram no índice, demonstrando a necessidade urgente de ação.

Sem oportunidades iguais para todos

A corrupção e a desigualdade alimentam uma à outra, criando um círculo vicioso entre corrupção, distribuição desigual de poder na sociedade e distribuição desigual de riqueza. Como os Panama Papers mostraram, ainda é muito fácil para os ricos e poderosos explorarem a opacidade do sistema financeiro global e enriquecerem às custas do bem público.

“Em muitos países, as pessoas são privadas de suas necessidades mais básicas e vão dormir com fome todas as noites por causa da corrupção, enquanto os poderosos e corruptos aproveitam estilos de vida luxuosos de forma impune”, disse José Ugaz, presidente da Transparência Internacional.

“Nós não podemos nos dar ao luxo de perder tempo. A corrupção precisa ser combatida com urgência para que a vida das pessoas melhore, em todo o mundo”, adicionou Ugaz.

Grandes casos de corrupção, da Petrobras e Odebrecht no Brasil até o ex-presidente ucraniano Viktor Yanukovych, mostram como o conluio entre empresas e políticos subtrai das economias nacionais bilhões de dólares que foram canalizados para beneficiar poucos às custas de muitos. Esse tipo de corrupção sistêmica e em larga escala viola os direitos humanos, impede o desenvolvimento sustentável e alimenta a exclusão social.

No entanto, o país demonstrou em 2016 que por meio do trabalho independente de agentes da lei é possível punir aqueles que antes eram considerados intocáveis.

Populismo é o remédio errado

As pessoas estão fartas de tantas promessas vazias de combate à corrupção, e por este motivo estão recorrendo a políticos populistas que prometem mudar o sistema e romper o ciclo da corrupção e do privilégio. No entanto, é provável que isso apenas aumente o problema.

“Em países com líderes populistas ou autocráticos, nós geralmente vemos democracias em declínio e um padrão perturbador de tentativas de repressão da sociedade civil, limitação da liberdade de imprensa e da independência do judiciário. Em vez de combater o capitalismo clientelista, esses líderes geralmente instalam sistemas corruptos ainda piores”, disse Ugaz. “Somente quando há liberdade de expressão, transparência em todos os processos políticos e instituições democráticas fortes, a sociedade civil e a mídia podem responsabilizar aqueles que estão no poder e combater a corrupção com sucesso”.

A pontuação da Hungria e da Turquia no índice, países que viram a ascensão de líderes autocráticos, caiu nos últimos anos. Em contraste, a pontuação da Argentina, que terminou com um governo populista, está começando a melhorar.

O que precisa ser feito

Ajustes técnicos em leis específicas anticorrupção não são o suficiente. O que é urgentemente necessário são reformas sistêmicas profundas, que corrijam o desequilíbrio crescente entre poder e riqueza por meio do empoderamento social para acabar com a impunidade, responsabilizar os poderosos e garantir que as pessoas tenham voz nas decisões que afetam suas vidas.

Essas reformas devem incluir a divulgação, por meio de registros públicos, de quem são os verdadeiros donos de empresas, assim como punições aos profissionais cúmplices que tornam possível a movimentação de dinheiro ilícito através das fronteiras.

Os resultados

O Índice de Percepção da Corrupção 2016 trata das percepções de corrupção no setor público em 176 países. Clique aqui para ver o Índice completo.

A Dinamarca e a Nova Zelândia têm o melhor resultado, com 90 pontos, seguidas de perto pela Finlândia (89) e Suécia (88). Embora nenhum país seja livre de corrupção, os países no topo compartilham características de governo aberto, liberdade de imprensa, liberdades civis e sistemas judiciais independentes.

Pelo décimo ano seguido, a Somália possui o pior desempenho no índice, com apenas 10 pontos este ano. O Sudão do Sul é o penúltimo colocado com 11 pontos, seguido pela Coreia do Norte (12) e a Síria (13). Países nas últimas colocações do índice são caracterizados pela ampla impunidade da corrupção, governança fraca e instituições frágeis.

Países em regiões prejudicadas por problemas, particularmente no Oriente Médio, observaram uma queda mais substancial este ano. O Catar sofreu o maior declínio comparado ao índice de 2015, com uma queda de 10 pontos. “Os escândalos da FIFA, as investigações sobre a decisão de sediar a copa do mundo em 2022 no Catar e os relatórios dos abusos de direitos humanos com trabalhadores imigrantes têm claramente afetado a percepção sobre o país”, disse Ugaz.


Baixe mais informações, incluindo gráficos traduzidos
 


For any press enquiries please contact

Informações para a imprensa:
Natalie Baharav
Telefone: +49 30 34 38 20 666
E-mail: .(JavaScript must be enabled to view this email address)

Latest

Support Transparency International

Delia Ferreira Rubio elected Chair of Transparency International

At Transparency International’s Annual Membership meeting on 15 October, Delia Ferreira Rubio was elected chair and Rueben Lifuka was elected as vice-chair, along with seven new board members.

How to keep desperately needed humanitarian aid out of the hands of the corrupt

Around the globe, tens of millions of people need humanitarian assistance from governments, humanitarian aid agencies, and the UN, but even when lives are at stake and people at their most vulnerable, corruption and other abuses are not uncommon.

How the IMF can have real impact on fighting corruption

The International Monetary Fund (IMF) is meeting in Washington DC this week. We want to send a strong message about what the multi-lateral lender can do to have greater impact on fighting corruption.

The impact of the Azerbaijani Laundromat

Since the story of the Azerbaijani Laundromat broke, Transparency International has been following up on the allegations and, along with OCCRP, calling for action to hold to account the politicians, businesses and intermediaries who were named in this complex money-for-influence scandal.

Corrupción en ascenso en América Latina y el Caribe

Conversamos con más de 22.000 personas en 20 países en América Latina y el Caribe sobre corrupción. Tomando en cuenta el tamaño estimado de la población de estos países, eso significa que alrededor de 90 millones de personas pagaron sobornos.

Corruption on the rise in Latin America and the Caribbean

Transparency International asked more than 22,000 people in Latin America and the Caribbean about corruption in their daily lives. The survey also looks at how institutions are perceived and how corruption has been developing in each country.

Sustainable Development Goals turn two: time to ensure justice for all

September 25, 2017 marks the two-year anniversary of the adoption of the Sustainable Development Goals. Transparency International highlights the need for governments to set meaningful targets for success.

Social Media

Follow us on Social Media

Would you like to know more?

Sign up to stay informed about corruption news and our work around the world