Transparency International pede medidas legislativas reais para acabar com a corrupção no Brasil

O pacote anticorrupção proposto deve ser complementado por uma reforma política para uma mudança real

Issued by Transparency International Secretariat



A Transparency International fez hoje um apelo ao Congresso Nacional Brasileiro para aprovar rapidamente um pacote de medidas anticorrupção proposto esta semana pela Presidenta Dilma Rousseff em resposta ao crescente escândalo da Petrobras e ao aumento do descontentamento público em relação à corrupção na política brasileira e entre os seus políticos.

Além da aprovação  do pacote anticorrupção, a Transparency International também pediu que o Congresso aja rapidamente e promulgue o projeto de lei de reforma política proposto pela Organização dos Advogados do Brasil (OAB) e pela sociedade civil brasileira que visa limitar as doações empresarias a campanhas políticas e abrir as portas para o financiamento público de candidatos individuais.

Os brasileiros vêm demonstrando a sua indignação contra a corrupção generalizada em vários protestos. No último fim de semana, cerca de um milhão de brasileiros saiu às ruas para protestar contra a corrupção. O escândalo da Petrobras, a gigante do petróleo nacional, expôs uma rede de corrupção que envolve alegações de suborno entre importantes políticos e empresas do país. Trinta e quatro políticos do governo atual e 18 empresas ligados ao escândalo estão atualmente sendo investigados, incluindo construtoras que supostamente pagaram subornos relacionados a transações com a Petrobras e que são conhecidas por exportarem práticas corruptas para outros países.

“Os brasileiros já sofreram demais sob um sistema onde um clientelismo desenfreado, uma abordagem ao combate à corrupção fragmentada e contribuições empresarias a campanhas políticas sem qualquer tipo de restrição se tornaram as marcas de um sistema político profundamente precário. O pacote anticorrupção oferecido pela Presidenta é um bom começo, mas não é suficiente por si só. Deve ser complementado por uma reforma política rigorosa”, defende José Ugaz, Presidente da Transparency International.

O plano anticorrupção inclui várias medidas fortes, sendo que algumas delas já deveriam ter sido implementadas há muito tempo. Entretanto, é apenas um modesto primeiro passo. Somente nesta semana, a Polícia diz ter revelado uma rede de corrupção no segundo maior banco estatal brasileiro, a Caixa Econômica Federal, mostrando a necessidade urgente de reforma.   

No Brasil, 81% das pessoas consultadas em 2013 consideravam os partidos políticos corruptos ou extremamente corruptos e oito entre dez pessoas concordaram com a declaração de que as pessoas comuns podem fazer a diferença no combate à corrupção.

O pacote proposto inclui medidas contra o use de caixa dois em campanhas eleitorais, o confisco de bens nos casos de corrupção e a extensão do popular Ficha Limpa que impede que criminosos condenados se candidatem a cargos públicos. O pacote também criminaliza o enriquecimento ilícito, introduz regulamentações à lei de 2013 para acabar com os subornos de empresas e cria um grupo de trabalho para estudar mais profundamente outras medidas anticorrupção necessárias.

Além do pacote, é essencial que haja uma reforma da administração pública para que o Brasil se livre da corrupção. Dezenas de milhares de cargos públicos em todos os níveis do governo, os chamados “cargos de confiança”, são nomeações políticas. A lei não exige qualificações profissionais para as pessoas que assumem esses cargos e muitas vezes essas posições são usadas em troca de favores políticos e clientelismo. Um exemplo são os vários indivíduos nomeados para cargos executivos na Petrobras.

“Na última década, o Brasil deu grandes passos em direção à redução das desigualdades, mas a reputação dos seus políticos e do país em geral foi gravemente prejudicada pelo grande número de escândalos de corrupção. Somente um esforço conjunto e permanente contra a corrupção irá conquistar novamente a confiança dos brasileiros”, diz Ugaz.


For any press enquiries please contact

Chris Sanders
Tel.: +49 30 34 38 20 666
.(JavaScript must be enabled to view this email address)

Latest

Support Transparency International

Blog: Gender and corruption: where do we go from here?

While corruption and gender have become increasingly prominent on the global agenda, and it’s increasingly recognized that anti-corruption measures are central to reducing the gender gap, the pace of change has so far been glacial. Urgent action is needed, but is sorely lacking.

Blog: Verifying the beneficial owner of companies. Why and how.

While existing rules emphasise the need for accurate, reliable and up-to-date beneficial ownership information, verification of information provided by companies is often minimal, when it happens at all.

Troika Laundromat signals a different kind of financial crisis

The Troika Laundromat investigation shines a spotlight on a cast of new and familiar characters in the ongoing saga surrounding flows of dirty money through the world’s financial system.

الأبعاد الخطيرة للتعديلات الدستورية المقترحة في مصر

يتأهب نواب البرلمان المصري للمصادقة على سلسلة من التعديلات الدستورية، التي ستؤدي في حال تمريرها إلى ترسيخ مزيد من السلطة بيد الرئيس، وتنصيب الجيش مجددا كأعلى سلطة في البلاد.

The alarming message of Egypt’s constitutional amendments

Parliamentarians in Egypt look set to approve a series of constitutional amendments this week that, if passed, would consolidate power in the office of the president, while restoring the military as the ultimate authority in the country.

Восточная Европа и Центральная Азия: слабая система сдержек и противовесов

Индекс восприятия коррупции (ИВК) за этот год представляет печальную картину касательно мер по борьбе с коррупцией в Восточной Европе и Центральной Азии. За несколько лет в этом регионе был достигнут очень незначительный прогресс в борьбе с коррупцией.

الشرق الأوسط وشمال أفريقيا: انتشار الفساد في ظل ضعف المؤسسات وتراجع الحقوق السياسية

كشف مؤشر مدركات الفساد 2018 عن صورة قاتمة لواقع الشرق الأوسط وشمال أفريقيا حيث أن معظم بلدان المنطقة قد أخفقت في مكافحة الفساد على الرغم من أن قلة قليلة من البلدان قد أحرزت تقدما تدريجيا.

Afrique subsaharienne:Les régimes non démocratiques sapent les efforts de lutte contre la corruption

L’Indice de perception de la corruption (IPC) présente cette année un tableau bien sombre de l’Afrique : seuls 8 pays sur 49 obtiennent un score supérieur à 43 sur les 100 points que compte l’Indice. Malgré l’engagement pris par les dirigeants africains de faire de 2018 l’Année africaine de lutte contre la corruption, les avancées concrètes se font encore attendre.

Trouble at the top: why high-scoring countries aren’t corruption-free

For the third year running, the top seven countries in the Corruption Perceptions Index 2018 consist of the four Nordic nations – Denmark, Finland, Sweden and Norway – plus New Zealand, Singapore and Switzerland. Yet that doesn’t mean that these countries are corruption-free.

Social Media

Follow us on Social Media