Transparency International pede medidas legislativas reais para acabar com a corrupção no Brasil

O pacote anticorrupção proposto deve ser complementado por uma reforma política para uma mudança real

Issued by Transparency International Secretariat



A Transparency International fez hoje um apelo ao Congresso Nacional Brasileiro para aprovar rapidamente um pacote de medidas anticorrupção proposto esta semana pela Presidenta Dilma Rousseff em resposta ao crescente escândalo da Petrobras e ao aumento do descontentamento público em relação à corrupção na política brasileira e entre os seus políticos.

Além da aprovação  do pacote anticorrupção, a Transparency International também pediu que o Congresso aja rapidamente e promulgue o projeto de lei de reforma política proposto pela Organização dos Advogados do Brasil (OAB) e pela sociedade civil brasileira que visa limitar as doações empresarias a campanhas políticas e abrir as portas para o financiamento público de candidatos individuais.

Os brasileiros vêm demonstrando a sua indignação contra a corrupção generalizada em vários protestos. No último fim de semana, cerca de um milhão de brasileiros saiu às ruas para protestar contra a corrupção. O escândalo da Petrobras, a gigante do petróleo nacional, expôs uma rede de corrupção que envolve alegações de suborno entre importantes políticos e empresas do país. Trinta e quatro políticos do governo atual e 18 empresas ligados ao escândalo estão atualmente sendo investigados, incluindo construtoras que supostamente pagaram subornos relacionados a transações com a Petrobras e que são conhecidas por exportarem práticas corruptas para outros países.

“Os brasileiros já sofreram demais sob um sistema onde um clientelismo desenfreado, uma abordagem ao combate à corrupção fragmentada e contribuições empresarias a campanhas políticas sem qualquer tipo de restrição se tornaram as marcas de um sistema político profundamente precário. O pacote anticorrupção oferecido pela Presidenta é um bom começo, mas não é suficiente por si só. Deve ser complementado por uma reforma política rigorosa”, defende José Ugaz, Presidente da Transparency International.

O plano anticorrupção inclui várias medidas fortes, sendo que algumas delas já deveriam ter sido implementadas há muito tempo. Entretanto, é apenas um modesto primeiro passo. Somente nesta semana, a Polícia diz ter revelado uma rede de corrupção no segundo maior banco estatal brasileiro, a Caixa Econômica Federal, mostrando a necessidade urgente de reforma.   

No Brasil, 81% das pessoas consultadas em 2013 consideravam os partidos políticos corruptos ou extremamente corruptos e oito entre dez pessoas concordaram com a declaração de que as pessoas comuns podem fazer a diferença no combate à corrupção.

O pacote proposto inclui medidas contra o use de caixa dois em campanhas eleitorais, o confisco de bens nos casos de corrupção e a extensão do popular Ficha Limpa que impede que criminosos condenados se candidatem a cargos públicos. O pacote também criminaliza o enriquecimento ilícito, introduz regulamentações à lei de 2013 para acabar com os subornos de empresas e cria um grupo de trabalho para estudar mais profundamente outras medidas anticorrupção necessárias.

Além do pacote, é essencial que haja uma reforma da administração pública para que o Brasil se livre da corrupção. Dezenas de milhares de cargos públicos em todos os níveis do governo, os chamados “cargos de confiança”, são nomeações políticas. A lei não exige qualificações profissionais para as pessoas que assumem esses cargos e muitas vezes essas posições são usadas em troca de favores políticos e clientelismo. Um exemplo são os vários indivíduos nomeados para cargos executivos na Petrobras.

“Na última década, o Brasil deu grandes passos em direção à redução das desigualdades, mas a reputação dos seus políticos e do país em geral foi gravemente prejudicada pelo grande número de escândalos de corrupção. Somente um esforço conjunto e permanente contra a corrupção irá conquistar novamente a confiança dos brasileiros”, diz Ugaz.


For any press enquiries please contact

Chris Sanders
Tel.: +49 30 34 38 20 666
.(JavaScript must be enabled to view this email address)

Latest

Support Transparency International

Three priorities at the Open Government Partnership summit

This week, the Open Government Partnership is holding its 5th global summit in Tbilisi, Georgia. Transparency International is there in force, pushing for action in three key areas.

Civil society’s crucial role in sustainable development

Key players in the development community are meeting in New York for the main United Nations conference on sustainable development, the High-Level Political Forum (HLPF). Transparency International is there to highlight how corruption obstructs development and report on how effectively countries are tackling this issue.

Comment gagner la lutte contre la corruption en Afrique

Aujourd’hui est la Journée africaine de lutte contre la corruption – une occasion opportunité pour reconnaitre le progrès dans la lutte contre la corruption en Afrique et le travail significatif qui reste encore à accomplir.

How to win the fight against corruption in Africa

African Anti-Corruption Day is an important opportunity to recognise both the progress made in the fight against corruption in Africa and the significant work still left to do.

Increasing accountability and safeguarding billions in climate finance

In December 2015, governments from around the world came together to sign the Paris Agreement, agreeing to tackle climate change and keep global warming under two degrees centigrade. They committed to spend US$100 billion annually by 2020 to help developing countries reduce their greenhouse gas emissions and protect themselves against the potentially devastating effects of climate change.

After Gürtel, what next for Spain’s struggle with political corruption?

At the start of June, the Spanish parliament voted to oust Prime Minister Rajoy after his political party was embroiled in the biggest corruption scandal in Spain’s democratic history. At this critical juncture in Spain’s struggle with political corruption, Transparency International urges all parties to join forces against impunity and support anti-corruption efforts in public life.

Risk of impunity increases with outcome of Portuguese-Angolan corruption trial

A verdict last week by the Lisbon Court of Appeals in the trial of former Angolan vice president Manuel Vicente has disappointed hopes for a triumph of legal due process over politics and impunity. It also has worrying implications for the independence of Portugal’s judiciary.

Social Media

Follow us on Social Media