Transparência Internacional analisa operações de empresas ligadas à Petrobras na América Latina

Issued by Transparency International Secretariat



Transparência Internacional, o movimento global anti-corrupção, anunciou hoje que vai analisar as operações das empresas brasileiras de construção ligadas ao escândalo Petrobras em sete países: Argentina, Chile, República Dominicana, Guatemala, Panamá, Peru e Venezuela.

Como as investigações no Brasil continuam a revelar as ligações entre grandes empresas de construção e a corrupção na Petrobras, a Transparência Internacional analisará se as empreiteiras estão seguindo o mesmo modelo de negócio baseado no pagamento de suborno e formação de cartel em outros países onde têm operações significativas.

Por exemplo, apenas na Venezuela, quatro das empresas investigadas no Brasil obtiveram mais de trinta contratos do governo nos últimos anos. Uma investigação preliminar da Transparência Venezuela revelou contratos em atraso, contabilidade opaca e suspeita de influência política na adjudicação de contratos no valor de milhões.

Transparência Internacional - através de seus capítulos nacionais na Argentina, Chile, Guatemala, Panamá, Peru, República Dominicana e Venezuela - está realizando pedidos de acesso a informação a esses governos, com o objetivo de analisar os contratos adjudicados para as empresas na última década. Em parceria com jornalistas investigativos, a Transparência Internacional identificará, nas próximas semanas, potenciais irregularidades e verificará o andamento dos grandes projetos de infraestrutura que são objeto desses contratos.

Estes projetos incluem sistemas de transporte, infraestrutura para a prestação de serviços básicos e outros que têm um impacto direto sobre a qualidade de vida de milhões de famílias na América Latina. Os cidadãos têm o direito de saber sobre o andamento dessas obras de construção contratadas por seus governos.

"O escândalo de corrupção em torno da Petrobras é um dos maiores que já vimos na região, não só pela quantidade de dinheiro envolvido e as ligações entre as elites políticas e empresariais, mas também pelos danos que este sistema corrupto causou a toda sociedade brasileira. Um corajoso juiz e alguns corajosos procuradores, delegados federais e vários jornalistas brasileiros estão neste momento realizando um enorme esforço para impedir que estes corruptos saiam impunes. A Transparência Internacional deseja unir-se a este esforço para garantir que os responsáveis ​​sejam punidos, seja no Brasil ou em outros países na região," disse Alejandro Salas, Diretor Regional para as Américas da Transparência Internacional.

Se a pesquisa da Transparência Internacional descobrir irregularidades, levantar suspeita de acordos de cartel ou tráfico de influência por políticos na concessão de contratos, encaminharemos todas as informações às autoridades competentes, demandaremos que abram investigações formais e que revelem publicamente suas descobertas. A Transparência Internacional também fornecerá informações aos procuradores onde as investigações já estão ocorrendo, como no Peru e no Brasil.

"Com tudo isto, o que estamos demandando é simplesmente prestação de contas à sociedade. Nós não sabemos o que vamos encontrar, mas dado o que o escândalo Petrobras já revelou e o custo dos projetos de infraestrutura, é justo exigir transparência. Precisamos de mudanças sistêmicas que garantam que tais escândalos de corrupção nunca mais voltem a ocorrer," disse Salas.

Todos os sete países ratificaram a Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção, que inclui disposições relativas à assistência jurídica mútua (art. 46) e investigações conjuntas (art. 49), que obrigam os Estados signatários a cooperar a nível internacional em investigações de corrupção transfronteiriça.


For any press enquiries please contact

Secretariado da Transparência Internacional
Natalie Baharav
E: .(JavaScript must be enabled to view this email address)
T: +49 30 343820 666

Argentina
Poder Ciudadano
Pablo Secchi
E: .(JavaScript must be enabled to view this email address)
T: +5491151147200

Chile
Chile Transparente
Cesar Iribarren
E: .(JavaScript must be enabled to view this email address)

Guatemala
Acción Ciudadana
Gabriela Ayerdi
E: .(JavaScript must be enabled to view this email address)
T: +502 2388-3400

Panamá
Fundación para el Desarrollo de la Libertad Ciudadana
Carlos Gasnell
E: .(JavaScript must be enabled to view this email address)

Peru
Proetica
Mali Esparza
E: .(JavaScript must be enabled to view this email address)

República Dominicana
Participación Ciudadana
Carlos Pimentel
E: .(JavaScript must be enabled to view this email address)

Venezuela
Transparencia Venezuela
Maria Antonieta Pérez
E: .(JavaScript must be enabled to view this email address)
T: +582125760863

Latest

Support Transparency International

No hay cambios en las percepciones pese a los avances en América

En los últimos años, América Latina y el Caribe lograron adelantos significativos en la lucha contra la corrupción. En muchos países de la región existen ahora leyes y mecanismos para contrarrestar este fenómeno, las investigaciones legales están avanzando y los movimientos ciudadanos anticorrupción han incrementado. Sin embargo, de acuerdo con el Índice de Percepción de la Corrupción (IPC) 2017, la región continúa con bajos puntajes.

A redefining moment for Africa

The newly released Corruption Perceptions Index (CPI) provides a good baseline for the African Union (AU) anti-corruption efforts in 2018. This year’s theme for the AU is “Winning the Fight against Corruption: A Sustainable Path to Africa’s Transformation.” As the AU rolls out its plan, this is an important moment for Africa to take stock of the current situation.

Perceptions remain unchanged despite progress in the Americas

In the last few years, Latin America and the Carribbean made great strides in the fight against corruption. Laws and mechanisms exist to curb corruption, while legal investigations are advancing and citizen anti-corruption movements are growing in many countries across the region. However, according to the Corruption Perceptions Index (CPI) 2017, the region continues to score poorly for corruption. How can we explain this contradiction?

Slow, Imperfect Progress across Asia Pacific

While no country in the Asia Pacific region scores a perfect 100, not even New Zealand or Singapore, which both experienced their share of scandals in the last year, our analysis reveals little progress across the region.

Europe and Central Asia: more civil engagement needed

In 2017, authoritarianism rose across Eastern and South East Europe, hindering anti-corruption efforts and threatening civil liberties. Across the region, civil society organisations and independent media experienced challenges in their ability to monitor and criticise decision-makers

Rampant Corruption in Arab States

In a region stricken by violent conflicts and dictatorships, corruption remains endemic in the Arab states while assaults on freedom of expression, press freedoms and civil society continue to escalate.

Digging deeper into corruption, violence against journalists and active civil society

To mark the release of the Corruption Perceptions Index 2017, we analysed corruption levels around the world and looked at how they relate to civil liberties – specifically, the ability of citizens to speak out in defence of their interests and the wider public good.

Social Media

Follow us on Social Media

Would you like to know more?

Sign up to stay informed about corruption news and our work around the world