São Paulo: R$ 8.6 bilhões em imóveis estão ligados a empresas offshore

Pesquisa da Transparência Internacional alerta sobre riscos de lavagem de dinheiro na capital paulista

Issued by Transparency International Secretariat



Uma pesquisa conduzida pela Transparência Internacional descobriu que, em São Paulo, 3.452 imóveis cujo valor somado atinge pelo menos R$ 8.6 bilhões estão vinculados a empresas offshore ou empresas registradas em jurisdições pouco transparentes. Tais dados apontam para o alto de risco de que imóveis estejam sendo usados para lavar dinheiro na maior cidade do Brasil.

Perto do primeiro aniversário do escândalo conhecido como Panama Papers, que mostrou a extensão do uso de empresas secretas pela corrupção, este estudo inédito, intitulado "São Paulo: a Corrupção Mora ao Lado?", mostra que milhares de imóveis de alto padrão estão em nome de 236 empresas ligadas a arranjos corporativos baseados em jurisdições pouco transparentes, como Ilhas Virgens Britânicas, o estado americano de Delaware e Uruguai.

Para chegar a essa conclusão, o estudo cruzou dados de composição societária obtidos na Junta Comercial de São Paulo com dados sobre propriedade imobiliária tornados públicos pela Prefeitura de São Paulo após uma parceria com a Transparência Internacional.

O alerta mais relevante trazido pelo estudo é o de que é impossível saber quem é a pessoa física por trás dessas empresas que detêm imóveis via offshores.

“Os legisladores brasileiros precisam prestar atenção a este estudo revelador. Ele deve servir como alerta às autoridades para que estejam atentas aos riscos de lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio e evasão fiscal. É alarmante que não consigamos saber quem são os verdadeiros donos de R$ 8.6 bilhões de ativos imobiliários em São Paulo. É por essa razão que a Transparência Internacional recomenda um registro público de propriedades de maneira que os corruptos não possam esconder dinheiro ilícito tão facilmente” disse José Ugaz, presidente da Transparência Internacional.

Principais resultados:

“Revelar os verdadeiros donos desses imóveis é quase impossível embora muitas bases de dados estejam públicas. Precisamos de um sistema que seja fácil de usar e que seja transparente. Gastamos centenas de horas analisando dados à mão. Na época em que vivemos, tais análises deveriam ser muito mais fáceis, já que a tecnologia já existe, mas o que falta é vontade política”, disse Fabiano Angélico, autor do estudo. 

No corredor das Avenidas Chucri Zaidan e Luis Carlos Berrini estão 820 imóveis cujos proprietários são empresas ligadas a offhores - juntas, essas empresas valem R$ 1,1 bilhão. Na Avenida Paulista, o estudo localizou 195 imóveis, no valor somado de quase R$ 120 milhões e na Faria Lima estão 67 propriedades que, juntas, valem R$ 131 milhões. Todos estes valores são baseados naqueles registrados oficialmente, portanto os valores de mercado destas propriedades pode ser ainda muito maior.

A Transparência Internacional recomenda as seguintes medidas prioritárias para aumentar a transparência e dificultar a lavagem de dinheiro:

Não é ilegal que uma empresa registrada em uma jurisdição secreta opere no Brasil. O fato de uma pessoa jurídica brasileira estar listada nessa pesquisa significa apenas que ela é dona de imóveis em São Paulo e é ou foi controlada, majoritária ou parcialmente, por empresas registradas em paraísos fiscais.

A Transparência Internacional defende o fim dos paraísos fiscais e das jurisdições que permitem ocultar os beneficiários finais de empresas, porque são um dos principais meios para lavar dinheiro do crime organizado e de grandes esquemas de corrupção.

Em 70% de 200 casos de grande corrupção analisados pelo Banco Mundial, criminosos usaram empresas secretas para esconder quem é o verdadeiro dono dos ativos adquiridos por meio dessas empresas - e a compra de imóveis é um dos principais objetivos de se lavar dinheiro por meio de uma offshore.

* A taxa de conversão cambial utilizada neste estudo é de 10 de fevereiro de 2017, em que 1 Real valia 0.3209758 dólares americanos.


For any press enquiries please contact

Berlin, Germany
Natalie Baharav
E: press@ transparency.org
T: +49 30 34 38 20 666

São Paulo, Brazil
Flávia Tavares
E: .(JavaScript must be enabled to view this email address)
T: +55 11 3817 7914

Cláudia Santos
E: .(JavaScript must be enabled to view this email address)
T: +55 11 3817 7925

Latest

Support Transparency International

Support Us

مؤشر مدركات الفساد 2019

كشـف مؤشـر مـدركات الفسـاد للعـام ً 2019عـددا ً صادمـا مـن الـدول التـي تقـوم ً بقليـل مـن التحسـينات أو لا تقـوم أبـدا بأيـة تحسـينات فـي سـبيل معالجـة الفسـاد، ويقتـرح تحليلنـا بضـرورة تخفيـض مقـدار الأمـوال الطائلـة التـي يتـم انفاقهـا علـى السياسـة، وضـرورة تعزيـز عمليـات صنـع القـرار السياسـي كونهمـا ضروريـان للحـد مـن الفسـاد

IPC 2019: Analyse mondiale

L’Indice de Perception de la Corruption 2019 révèle qu’un nombre impressionnant de pays ne montrent que peu ou pas de signes d’amélioration dans la lutte contre la corruption. Notre analyse suggère également que la réduction de l’influence de l’argent en politique et la promotion de processus de prise de décision inclusifs sont essentielles pour lutter contre la corruption.

CPI 2019: Global Highlights

CPI 2019 reveals that a majority of countries are showing little to no improvement in tackling corruption. More than two-thirds of countries score below 50, with an average score of just 43.

Индекс восприятия коррупции 2019: Восточная Европа и Центральная Азия

Регион имеет сложности с ограниченным разделением властей, злоупотреблением государственными ресурсами в избирательных целях, непрозрачным финансированием политических партий и конфликтами интересов.

Corruption Perceptions Index 2019

The Corruption Perceptions Index ranks 180 countries and territories by their perceived levels of public sector corruption, according to experts and business people.

الشرق الأوسط وشمال إفريقيا

وبنفس معدل الدرجات البالغ ً 39خلال العام الماضي، كان هناك تقدما ً ضئيلا في تحسين السيطرة على الفساد في منطقة الشرق الأوسط وشمال إفريقيا

IPC 2019: Afrique Subsaharienne

Tandis que les Seychelles sont aux prises avec des affaires de blanchiment d’argent, dimension qui n’est pas pris en compte dans le calcul de l’IPC , plusieurs lois anti-corruption, notamment une loi récente sur l’accès à l’information et une commission anti-corruption créée il y a peu, ont contribué à renforcer le cadre de la lutte contre la corruption dans le pays.

Social Media

Follow us on Social Media