Líderes do G20: Exponham os corruptos

Issued by Transparência e Integridade, Associação Cívica (TIAC)



Os líderes do G20 que se reunirão na Austrália no final deste ano devem dificultar a capacidade de os corruptos se esconderem atrás de empresas secretas, disse a Transparency International – representada em Portugal pela Transparência e Integridade, Associação Cívica – ao lançar uma campanha global para “expor os corruptos”.

Hoje, muitas das principais economias não requerem ou recolhem informações sobre quem realmente possui ou controla empresas registadas no seu país, tornando mais fácil para indivíduos corruptos, terroristas ou líderes do crime organizado esconderem-se e beneficiarem da sua riqueza roubada.

«Ao tornar obrigatório que os registos nacionais de empresas incluam informações sobre os verdadeiros beneficiários da empresa e tornando pública essa informação, os governos do G20 ajudarão a garantir que as autoridades e o público sabem quem realmente beneficia de todas as empresas registadas no seu território», disse a presidente da Transparency International, Huguette Labelle. «É hora de expor os corruptos que escondem a sua identidade e riqueza roubada atrás de camadas de empresas secretas e desfrutam de uma vida de luxo com impunidade».

O problema está longe de estar confinado às maiores economias. Portugal é um dos países em que os controlos sobre os beneficiários últimos das empresas deixam muito a desejar, alerta a Transparência e Integridade, Associação Cívica (TIAC). «Temos assistido nos últimos anos a uma verdadeira avalanche de investimentos protagonizados por empresas sediadas em offshores e ninguém sabe, ou ninguém quer saber, quem está por detrás desses veículos de investimento. No limite, é a integridade da economia portuguesa que fica em risco», diz João Paulo Batalha, diretor executivo da TIAC. «Um bom exemplo é a tomada de partes importantes do capital de empresas portuguesas – da banca às telecomunicações, passando pela comunicação social – por figuras ligadas ao regime angolano, cuja fortuna tem uma origem, no mínimo, suspeita. Infelizmente, no que toca a dinheiro potencialmente sujo, sucessivos Governos e as autoridades de regulação e supervisão em Portugal parecem ter uma política de abrir as mãos e fechar os olhos».

A exigência de ação na questão da propriedade secreta de empresas surge antes de uma reunião global de ONG em Melbourne – a Cimeira da Sociedade Civil 20 (C20). A presidente da TI, Huguette Labelle, falará sobre como a Transparency International pretende mobilizar a sua rede global de mais de 100 países para expor e combater os fluxos ilícitos de dinheiro roubado através do abuso de poder, corrupção e acordos secretos.

A propriedade secreta de empresas não se regista apenas nos paraísos fiscais e tem implicações bem mais vastas, alerta a Transparency International. A falta de regras sobre os beneficiários das empresas impede também a publicação de informações importantes nos principais centros financeiros do G20. Neste momento, 77 por cento dos registos de empresas na União Europeia não coletam os nomes dos reais proprietários ou beneficiários das empresas.


For any press enquiries please contact

Transparência e Integridade, Associação Cívica (TIAC)
T: +351 21 752 20 75
E: .(JavaScript must be enabled to view this email address)

Latest

Support Transparency International

No hay cambios en las percepciones pese a los avances en América

En los últimos años, América Latina y el Caribe lograron adelantos significativos en la lucha contra la corrupción. En muchos países de la región existen ahora leyes y mecanismos para contrarrestar este fenómeno, las investigaciones legales están avanzando y los movimientos ciudadanos anticorrupción han incrementado. Sin embargo, de acuerdo con el Índice de Percepción de la Corrupción (IPC) 2017, la región continúa con bajos puntajes.

A redefining moment for Africa

The newly released Corruption Perceptions Index (CPI) provides a good baseline for the African Union (AU) anti-corruption efforts in 2018. This year’s theme for the AU is “Winning the Fight against Corruption: A Sustainable Path to Africa’s Transformation.” As the AU rolls out its plan, this is an important moment for Africa to take stock of the current situation.

Perceptions remain unchanged despite progress in the Americas

In the last few years, Latin America and the Carribbean made great strides in the fight against corruption. Laws and mechanisms exist to curb corruption, while legal investigations are advancing and citizen anti-corruption movements are growing in many countries across the region. However, according to the Corruption Perceptions Index (CPI) 2017, the region continues to score poorly for corruption. How can we explain this contradiction?

Slow, Imperfect Progress across Asia Pacific

While no country in the Asia Pacific region scores a perfect 100, not even New Zealand or Singapore, which both experienced their share of scandals in the last year, our analysis reveals little progress across the region.

Europe and Central Asia: more civil engagement needed

In 2017, authoritarianism rose across Eastern and South East Europe, hindering anti-corruption efforts and threatening civil liberties. Across the region, civil society organisations and independent media experienced challenges in their ability to monitor and criticise decision-makers

Rampant Corruption in Arab States

In a region stricken by violent conflicts and dictatorships, corruption remains endemic in the Arab states while assaults on freedom of expression, press freedoms and civil society continue to escalate.

Digging deeper into corruption, violence against journalists and active civil society

To mark the release of the Corruption Perceptions Index 2017, we analysed corruption levels around the world and looked at how they relate to civil liberties – specifically, the ability of citizens to speak out in defence of their interests and the wider public good.

Social Media

Follow us on Social Media

Would you like to know more?

Sign up to stay informed about corruption news and our work around the world