Chegou a hora para empresas de mercados emergentes combaterem a corrupção

Um estudo destaca as principais lacunas na comunicação anti-corrupção por multinacionais dos mercados emergentes

Issued by Transparency International Secretariat



O grupo anti-corrupção Transparency International, disse hoje que as empresas em rápida expansão nas economias emergentes como a China e a Índia devem prestar publicamente responsável.

O relatório de 52 páginas entitulado, Transparência Na Informação Corporativa: Avaliando Multinacionais Nos Mercados Emergentes, pontuou 100 das empresas de crescimento mais rápido sediadas em 16 mercados emergentes.

Três quartos das empresas de mercados emergentes pontuou menos de 5 dos 10, onde 0 é o menos transparente e 10 é o mais transparente. A avaliação foi baseada no nível de informações disponíveis publicamente sobre: 1) as medidas anti-corrupção 2) transparência na informação sobre como a estrutura das próprias empresas e 3) da quantidade de informações financeiras que essas empresas oferecem a cerca de cada uma de suas operações internacionais.

Empresas chinesas, representando mais de um terço das empresas avaliadas, tiveram o  desempenho mais fraco entre os países do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o que aponta a necessidade da China e sua comunidade empresarial de tomar medidas imediatas para elevar os seus padrões.

Huguette Labelle, presidente da organização Transparência Internacional disse que "chegou a hora dos mercados emergentes desempenharem  seu papel na luta global contra a corrupção. A medida que as empresas de mercados emergentes expandem sua influência devem aproveitar a oportunidade para desempenhar um papel maior para acabar com a corrupção internacionalmente."

A publicação de medidas anti-suborno corporativas devem tornar-se padrão

Empresas de mercados emergentes devem comunicar ao público acerca de suas relações com os governos bem como o que estão fazendo para prevenir corrupção. O estudo mostra que cerca de 60 por cento das empresas avaliadas nem divulgam informações sobre as suas contribuições políticas.

Transparência Internacional disse ainda que os governos nos mercados emergentes devem passar novas leis que obriguem as empresas a publicarem o que pagam aos governos dos países onde operam.

O relatório aponta que as empresas de capital aberto tiveram melhor desempenho do que as empresas estatais e de capital fechado, ilustrando o impacto positivo que os requisitos de divulgação impostos às empresas de capital aberto tem sobre a transparência.

Graças à legislação nacional que obriga a publicação de informações financeiras fundamentais em suas subsidiárias, as empresas da Índia tiveram o melhor desempenho dos BRICS com um resultado de 5,4. Em um relatório listando todos os países, as empresas indianas pontuaram 29 por cento, em comparação a 9 por cento em média, e de 1 por cento da China. No ano passado, em um estudo semelhante realizado pela Transparency International, 105 das maiores empresas globais pontuaram 4 por cento.

Labelle disse também que "empresas operando globalmente, sem transparência, correm o risco de danificar sua marca e perder a confiança das comunidades locais. As pessoas têm o direito de saber o que as multinacionais pagam em impostos bem como quaisquer outros valores pagos ao seu governo."

Setenta e cinco das 100 empresas no relatório vêm dos BRICS, que contribuíram em 50 por cento do crescimento mundial desde a crise econômica.

O relatório completo está disponível no http://www.transparency.org

Histórico:
Transparência Internacional divulgou relatórios semelhantes sobre as 105 maiores empresas do mundo em 2012, em 2011 o relatório focou no setor de petróleo e gás.

###

Transparência Internacional é a organização da sociedade civil global liderando a luta contra a corrupção.

Para atualizações diárias globais de combate à corrupção siga-nos no Twitter em http://www.twitter.com/anticorruption ou no Facebook em http://www.facebook.com/transparencyinternational


For any press enquiries please contact

Chris Sanders
T: +49 30 34 38 20 666
E: .(JavaScript must be enabled to view this email address)

Latest

Support Transparency International

Everything you need to know about the 18th International Anti-Corruption Conference (#18IACC)

The #18IACC will take place from 22-24 October in Copenhagen, Denmark under the theme Together for Development, Peace and Security: Now is the Time to Act. Get the latest info and updates here!

Risky business: Europe’s golden visa programmes

Are EU Member States accepting too much risk in their investor migration schemes?

Future Against Corruption Award 2018

TI is calling on young people across the globe to join the anti-corruption movement. People between the age of 18 and 35 are invited to submit a short video clip presenting their idea on new ways to fight corruption. Three finalists will be invited to Berlin during the International Anti-Corruption Day festivities to be awarded with the Future Against Corruption Award. Apply today!

The Azerbaijani Laundromat one year on: has justice been served?

In September last year, a massive leak of bank records from 2012 to 2014 showed that the ruling elite of Azerbaijan ran a $3 billion slush fund and an international money laundering scheme. One year on, has enough been done to hold those involved to account?

Right to information: knowledge is power

The right to information is vital for preventing corruption. When citizens can access key facts and data from governments, it is more difficult to hide abuses of power and other illegal activities - governments can be held accountable.

Paradise lost among Maldives dodgy land deals

Should tourists run for cover as a storm of corruption allegations sweeps across the Maldives?

Foreign bribery rages unchecked in over half of global trade

There are many losers and few winners when companies bribe foreign public officials to win lucrative overseas contracts. In prioritising profits over principles, governments in most major exporting countries fail to prosecute companies flouting laws criminalising foreign bribery.

Social Media

Follow us on Social Media