Chegou a hora para empresas de mercados emergentes combaterem a corrupção

Um estudo destaca as principais lacunas na comunicação anti-corrupção por multinacionais dos mercados emergentes

Issued by Transparency International Secretariat



O grupo anti-corrupção Transparency International, disse hoje que as empresas em rápida expansão nas economias emergentes como a China e a Índia devem prestar publicamente responsável.

O relatório de 52 páginas entitulado, Transparência Na Informação Corporativa: Avaliando Multinacionais Nos Mercados Emergentes, pontuou 100 das empresas de crescimento mais rápido sediadas em 16 mercados emergentes.

Três quartos das empresas de mercados emergentes pontuou menos de 5 dos 10, onde 0 é o menos transparente e 10 é o mais transparente. A avaliação foi baseada no nível de informações disponíveis publicamente sobre: 1) as medidas anti-corrupção 2) transparência na informação sobre como a estrutura das próprias empresas e 3) da quantidade de informações financeiras que essas empresas oferecem a cerca de cada uma de suas operações internacionais.

Empresas chinesas, representando mais de um terço das empresas avaliadas, tiveram o  desempenho mais fraco entre os países do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o que aponta a necessidade da China e sua comunidade empresarial de tomar medidas imediatas para elevar os seus padrões.

Huguette Labelle, presidente da organização Transparência Internacional disse que "chegou a hora dos mercados emergentes desempenharem  seu papel na luta global contra a corrupção. A medida que as empresas de mercados emergentes expandem sua influência devem aproveitar a oportunidade para desempenhar um papel maior para acabar com a corrupção internacionalmente."

A publicação de medidas anti-suborno corporativas devem tornar-se padrão

Empresas de mercados emergentes devem comunicar ao público acerca de suas relações com os governos bem como o que estão fazendo para prevenir corrupção. O estudo mostra que cerca de 60 por cento das empresas avaliadas nem divulgam informações sobre as suas contribuições políticas.

Transparência Internacional disse ainda que os governos nos mercados emergentes devem passar novas leis que obriguem as empresas a publicarem o que pagam aos governos dos países onde operam.

O relatório aponta que as empresas de capital aberto tiveram melhor desempenho do que as empresas estatais e de capital fechado, ilustrando o impacto positivo que os requisitos de divulgação impostos às empresas de capital aberto tem sobre a transparência.

Graças à legislação nacional que obriga a publicação de informações financeiras fundamentais em suas subsidiárias, as empresas da Índia tiveram o melhor desempenho dos BRICS com um resultado de 5,4. Em um relatório listando todos os países, as empresas indianas pontuaram 29 por cento, em comparação a 9 por cento em média, e de 1 por cento da China. No ano passado, em um estudo semelhante realizado pela Transparency International, 105 das maiores empresas globais pontuaram 4 por cento.

Labelle disse também que "empresas operando globalmente, sem transparência, correm o risco de danificar sua marca e perder a confiança das comunidades locais. As pessoas têm o direito de saber o que as multinacionais pagam em impostos bem como quaisquer outros valores pagos ao seu governo."

Setenta e cinco das 100 empresas no relatório vêm dos BRICS, que contribuíram em 50 por cento do crescimento mundial desde a crise econômica.

O relatório completo está disponível no http://www.transparency.org

Histórico:
Transparência Internacional divulgou relatórios semelhantes sobre as 105 maiores empresas do mundo em 2012, em 2011 o relatório focou no setor de petróleo e gás.

###

Transparência Internacional é a organização da sociedade civil global liderando a luta contra a corrupção.

Para atualizações diárias globais de combate à corrupção siga-nos no Twitter em http://www.twitter.com/anticorruption ou no Facebook em http://www.facebook.com/transparencyinternational


For any press enquiries please contact

Chris Sanders
T: +49 30 34 38 20 666
E: .(JavaScript must be enabled to view this email address)

Latest

Support Transparency International

Three priorities at the Open Government Partnership summit

This week, the Open Government Partnership is holding its 5th global summit in Tbilisi, Georgia. Transparency International is there in force, pushing for action in three key areas.

Civil society’s crucial role in sustainable development

Key players in the development community are meeting in New York for the main United Nations conference on sustainable development, the High-Level Political Forum (HLPF). Transparency International is there to highlight how corruption obstructs development and report on how effectively countries are tackling this issue.

Comment gagner la lutte contre la corruption en Afrique

Aujourd’hui est la Journée africaine de lutte contre la corruption – une occasion opportunité pour reconnaitre le progrès dans la lutte contre la corruption en Afrique et le travail significatif qui reste encore à accomplir.

How to win the fight against corruption in Africa

African Anti-Corruption Day is an important opportunity to recognise both the progress made in the fight against corruption in Africa and the significant work still left to do.

Increasing accountability and safeguarding billions in climate finance

In December 2015, governments from around the world came together to sign the Paris Agreement, agreeing to tackle climate change and keep global warming under two degrees centigrade. They committed to spend US$100 billion annually by 2020 to help developing countries reduce their greenhouse gas emissions and protect themselves against the potentially devastating effects of climate change.

After Gürtel, what next for Spain’s struggle with political corruption?

At the start of June, the Spanish parliament voted to oust Prime Minister Rajoy after his political party was embroiled in the biggest corruption scandal in Spain’s democratic history. At this critical juncture in Spain’s struggle with political corruption, Transparency International urges all parties to join forces against impunity and support anti-corruption efforts in public life.

Risk of impunity increases with outcome of Portuguese-Angolan corruption trial

A verdict last week by the Lisbon Court of Appeals in the trial of former Angolan vice president Manuel Vicente has disappointed hopes for a triumph of legal due process over politics and impunity. It also has worrying implications for the independence of Portugal’s judiciary.

Social Media

Follow us on Social Media