Chegou a hora para empresas de mercados emergentes combaterem a corrupção

Um estudo destaca as principais lacunas na comunicação anti-corrupção por multinacionais dos mercados emergentes

Issued by Transparency International Secretariat



O grupo anti-corrupção Transparency International, disse hoje que as empresas em rápida expansão nas economias emergentes como a China e a Índia devem prestar publicamente responsável.

O relatório de 52 páginas entitulado, Transparência Na Informação Corporativa: Avaliando Multinacionais Nos Mercados Emergentes, pontuou 100 das empresas de crescimento mais rápido sediadas em 16 mercados emergentes.

Três quartos das empresas de mercados emergentes pontuou menos de 5 dos 10, onde 0 é o menos transparente e 10 é o mais transparente. A avaliação foi baseada no nível de informações disponíveis publicamente sobre: 1) as medidas anti-corrupção 2) transparência na informação sobre como a estrutura das próprias empresas e 3) da quantidade de informações financeiras que essas empresas oferecem a cerca de cada uma de suas operações internacionais.

Empresas chinesas, representando mais de um terço das empresas avaliadas, tiveram o  desempenho mais fraco entre os países do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o que aponta a necessidade da China e sua comunidade empresarial de tomar medidas imediatas para elevar os seus padrões.

Huguette Labelle, presidente da organização Transparência Internacional disse que "chegou a hora dos mercados emergentes desempenharem  seu papel na luta global contra a corrupção. A medida que as empresas de mercados emergentes expandem sua influência devem aproveitar a oportunidade para desempenhar um papel maior para acabar com a corrupção internacionalmente."

A publicação de medidas anti-suborno corporativas devem tornar-se padrão

Empresas de mercados emergentes devem comunicar ao público acerca de suas relações com os governos bem como o que estão fazendo para prevenir corrupção. O estudo mostra que cerca de 60 por cento das empresas avaliadas nem divulgam informações sobre as suas contribuições políticas.

Transparência Internacional disse ainda que os governos nos mercados emergentes devem passar novas leis que obriguem as empresas a publicarem o que pagam aos governos dos países onde operam.

O relatório aponta que as empresas de capital aberto tiveram melhor desempenho do que as empresas estatais e de capital fechado, ilustrando o impacto positivo que os requisitos de divulgação impostos às empresas de capital aberto tem sobre a transparência.

Graças à legislação nacional que obriga a publicação de informações financeiras fundamentais em suas subsidiárias, as empresas da Índia tiveram o melhor desempenho dos BRICS com um resultado de 5,4. Em um relatório listando todos os países, as empresas indianas pontuaram 29 por cento, em comparação a 9 por cento em média, e de 1 por cento da China. No ano passado, em um estudo semelhante realizado pela Transparency International, 105 das maiores empresas globais pontuaram 4 por cento.

Labelle disse também que "empresas operando globalmente, sem transparência, correm o risco de danificar sua marca e perder a confiança das comunidades locais. As pessoas têm o direito de saber o que as multinacionais pagam em impostos bem como quaisquer outros valores pagos ao seu governo."

Setenta e cinco das 100 empresas no relatório vêm dos BRICS, que contribuíram em 50 por cento do crescimento mundial desde a crise econômica.

O relatório completo está disponível no http://www.transparency.org

Histórico:
Transparência Internacional divulgou relatórios semelhantes sobre as 105 maiores empresas do mundo em 2012, em 2011 o relatório focou no setor de petróleo e gás.

###

Transparência Internacional é a organização da sociedade civil global liderando a luta contra a corrupção.

Para atualizações diárias globais de combate à corrupção siga-nos no Twitter em http://www.twitter.com/anticorruption ou no Facebook em http://www.facebook.com/transparencyinternational


For any press enquiries please contact

Chris Sanders
T: +49 30 34 38 20 666
E: .(JavaScript must be enabled to view this email address)

Latest

Support Transparency International

The theme for the 18th edition of the International Anti-Corruption Conference (IACC) is announced

Building on the priorities set out in the Panama Declaration, the 18th IACC in Denmark from 22 to 24 October 2018 will move the pledge of acting together now to concrete action.

A new home for our corruption research

Transparency International is excited to announce the launch of the Knowledge Hub, a dedicated online space for our research.

Pardon me? Presidential clemency and impunity for grand corruption

Recent events in Brazil and Peru have shone a spotlight on the issue of presidential pardons in cases of grand corruption. Read more to find out the best practices that legislators can use to ensure that pardons are not abused for political purposes.

Stopping Dirty Money: the Global Effective-O-Meter

As of December 2017, global effectiveness at stopping money laundering stands at 32% effectiveness.

Corruption in the USA: The difference a year makes

A new survey by Transparency International shows that the US government has a long way to go to win back citizens’ trust.

Anti-Corruption Day 2017: Empowering citizens’ fight against corruption

The 9 December, is Anti-corruption Day. A key part of Transparency International’s work is to help people hold their governments to account. Have a look at what we've been doing around the world!

Digital Award for Transparency: Honouring digital initiatives to fight corruption

The Digital Award for Transparency awards individuals and civil society organisations who have developed digital technology tools used to fight corruption. The award aims at strengthening and promoting existing initiatives that promote good governance through three categories: Open Data, Citizen Engagement and Anti-Corruption Tools.

Social Media

Follow us on Social Media

Would you like to know more?

Sign up to stay informed about corruption news and our work around the world