15ª Conferência Internacional Anticorrupção encerra com uma chamada urgente para o fim da impunidade

Issued by Transparency International Secretariat



A necessidade de combater a impunidade foi destacada na sessão de encerramento da 15ª Coferência Internacional Anticorrupção, que promoveu a cultura da transparência levando a participação da sociedade.

A 15ª Conferência Internacional Anticorrupção (IACC) reuniu mais de 1900 representantes do setor público, privado e de organizações sem fins lucrativos de 140 países.

Com o tema “Mobilizando as pessoas: Conectando agentes de mudança“, a conferência explorou cinco desafios principais: extinguindo a impunidade; governância limpa; prevenindo fluxos financeiros ilícitos; transições políticas levando a governos estáveis e transparentes; e esportes limpos.

Mais de 50 sessões abordaram  novas formas de conectar cidadãos para manter os líderes de ambos os setores público e privado alertas, com ênfase especial para o uso de novas tecnologias , mídia social bem como o apoio às novas gerações.

“Os últimos quatro dias de debates intensos espalharam entusiasmo pelo combate à corrupção e renovou nossa determinação para acabar com a impunidade que ajuda e estimula a corrupção em todos os setores do governo e negócios“, disse Barry O’Keefe, presidente do Conselho da IACC.

“A IACC tem sempre sido uma conferência mundial muito inovadora e nós temos muito orgulho em ter recebido tal evento no Brasil. Aprendemos muito nesses quatro dias de trabalho (1.900 especialistas de 140 países) as melhores práticas e discutimos idéias e soluções viáveis para combater e prevenir a corrupção, disse o Ministro Jorge Hage, da Controladoria-Geral da União (CGU).

A presidente Dilma Rousseff abriu a Conferência. O ministro Jorge Hage Sobrinho, da CGU, o ministro de Relações Exteriores Antonio Patriota, a ministra do Meio Ambiente Izabella Teixeira e o ministro da Justiça José Eduardo Martins Cardozo também trataram alguns assuntos na Conferência. Outros palestrantes de peso foram os ganhadores do prêmio Nobel Tawakkol Karman, Richard Goldstone, Baltasar Garzón e Misha Glenny, autor do livro sobre crime organizado McMafia.

Por iniciativa da sessão Mudando o Jogo da IACC, a conferência convidou 23 jovens jornalistas da Tunísia ao Nepal para cobrir a 15ª IACC como parte da iniciativa Jovens Jornalistas. Tivemos também 25 programadores para coordenarem uma hacktona de quatro dias e desenvolver novas ferramentas para ajudar os ativistas a combater a corrupção. Além disso, a iniciativa ganhou o valor de € 5.000,00 para fazer projetos inovadores anticorrupção tornarem-se realidade.

A IACC, que ocorreu primeiramente em 1983, evoluiu para um fórum global sobre governança e combate à corrupção. A conferência cria o sentimento de cooperação e o desenvolvimento de novas ferramentas para enfrentar a corrupção no governo, nos negócios e na sociedade. A 15ª IACC foi organizada pelo Conselho da IACC em conjunto com a Transparência Internacional, Amarribo, Instituto Ethos, e foi generosamente sediada pelo Governo Brasileiro e o escritório da CGU no Brasil.

O Conselho da IACC expressou apreciação sincera ao Senegal e aos seus esforços para combater a corrupção e também o interesse do país em sediar a IACC no futuro.

A 16ª edição acontecerá na Tunísia em 2014. O vice-primeiro-ministro Ladgham da Tunísia esteve presente na Conferência.

###

A Transparency International é a organização civil da sociedade que leva o combate a corrupção.


For any press enquiries please contact

Natalie Baharav
Email: .(JavaScript must be enabled to view this email address)

Berlin
Tel: +49 30 3438 20 666

Brasilia
Tel: +55 61 8137 1844

Latest

Support Transparency International

Antoine Deltour: LuxLeaks whistleblower’s long legal battle continues

On Thursday 23 November, the High Court of Luxembourg will announce its verdict in the case of Antoine Deltour, the whistleblower who revealed aggressive tax avoidance schemes in Luxembourg by sharing the 'LuxLeaks' documents with journalists in 2014.

Open letter to the President of Equatorial Guinea: Ramon Esono Ebalé must be released

It has been two months since the artist and satirist Ramon Esono Ebalé was detained without charge in Equatorial Guinea. Transparency International joined with 17 organisations and individuals to write to President Teodoro Obiang Nguema Mbasogo. We are calling for his immediate release.

Global Corruption Barometer: citizens’ voices from around the world

Transparency International believes that people’s experience and perceptions of corruption are key for understanding corruption risks around the world. Our Global Corruption Barometer is the world's largest survey asking citizens about their direct personal experience of corruption in their daily lives - check it out here!

How the Honduran military and police profit from the illegal arms trade

An investigation by InSight Crime and Transparency International Honduras has found that many of the guns used in homicides in Honduras come from Honduran military and police stockpiles.

#ParadisePapers: time to clean up the offshore financial havens

The ‘Paradise Papers’ show how the rich and powerful around the world are able to avoid paying tax and keep their business dealings secret. The mechanisms they use can also benefit the corrupt, and must be made more transparent.

Uzbekistan: How to support the real victims of grand corruption

What do you do when assets stolen from a country’s state coffers by corrupt individuals have been recovered and can now be returned to the country - but the government is still controlled by corrupt people? That’s the case of Uzbekistan, one of the most corrupt countries in the world.

Entrevista con testigo clave en el Caso Obiang: Delfin Mocache Massoko

En el 27 de octubre 2017, la justicia francesa ha condenado a Teodoro Nguema Obiang Mangue, vicepresidente de Guinea Ecuatorial, a tres años de cárcel extentos de cumplimiento, una multa de 30 millones de euros (US$35 millones) y confiscó todos sus activos en Francia. Antes de que se anunciara el veredicto, entrevistamos a Delfin Mocache Massoko, un testigo clave en el caso, para descubrir qué significa el juicio para él y los ciudadanos de Guinea Ecuatorial.

Social Media

Follow us on Social Media

Would you like to know more?

Sign up to stay informed about corruption news and our work around the world