2011 – uma crise na administração/governança

Os Protestos que marcaram 2011 mostram indiganação com corrupção na política e nos setores públicos

Issued by Transparency International Secretariat



A corrupção continua a ser uma praga em muitos países ao redor do mundo, de acordo com o Índice de Percepção da Corrupção 2011 que a Transparência Internacional libera hoje. Ele mostra que alguns governos falham em proteger os cidadãos da corrupção, seja pelo abuso de recursos públicos, suborno ou a tomada de decisões de forma obscura.

Transparência Internacional advertiu que protestos ao redor do mundo, freqüentemente alimentados pela corrupção e instabilidade econômica, claramente mostram que os cidadãos sentem que seus lideres e instituições públicas não são transparentes nem responsáveis o suficiente.

“Este ano, temos visto a corrupção nos cartazes dos protestantes, sejam eles ricos ou pobres. Seja numa Europa atingida pela crise de dívidas ou em um mundo Árabe começando uma nova era política, os lideres devem prestar atenção nas demandas por um governo melhor,” disse Huguette Labelle, Presidente de Transparência Internacional.

Índice de Percepção de Corrupção de 2011: Os resultados

As notas do índice de 183 países e territórios vão de 0 (altamente corrupto) até 10 (muito limpo) baseado nos níveis percebidos de corrupção do setor público. Utiliza dados de 17 pesquisas que olham para fatores tais como, o cumprimento de leis anticorrupção e conflitos de interesse.

Dois terços dos países classificados apresentaram nota menor que 5.

A nova Zelândia ficou em primeiro, seguida da Finlândia e Dinamarca. A Somália e a Coréia do Norte (incluídas no índice pela primeira vez) são os últimos.

“2011 viu o movimento por uma maior transparência tomar um momento irreversível, à medida que cidadãos ao redor do mundo exigem responsabilidades e transparência dos seus governos. Os países com altas notas mostram que com o tempo os esforços para melhorar a transparência podem se mantidos, bem sucedidos e beneficiar seu povo,” disse o Diretor Executivo da Transparência Internacional, Cobus de Swardt.

A maioria dos países da Primavera Arabe se categoriza na metade inferior do índice, tendo nota abaixo de 4. Antes da Primavera Árabe, um relatório de Transparência Internacional sobre a região advertiu que o nepotismo, o suborno, e o patronato estavam tão enraizados na vida do cotidiano, tanto que mesmo as leis anticorrupção existentes tinha pouco impacto.

Os países da zona Européia que sofrem de crises de endividamento, em parte devido as falha das autoridades em atacar o suborno e a evasão de impostos que são os fatores chaves da crise de endividamento, estão entre os países com menor nota da União Européia.

 

Transparência Internacional é a organização global da sociedade civil que lidera a luta contra a corrupção

Observação para os editores: O Índice de Percepção de Corrupção é composto de 17 pesquisas diferentes e avaliações. A nota do país em um ano não pode ser comparada à sua nota no ano anterior. A informação de como o Índice é preparado, está disponível em FAQ (Questões Freqüentemente Perguntadas).

Para a posição completa e as tabelas regionais, vá para: http://www.transparency.org/cpi

  País com a Maior nota País com a Menor nota
Américas Canadá
Nota: 8.7
Classificação: 10
Haiti
Nota: 1.8
Classificação: 175
Ásia Pacifico Nova Zelândia
Nota: 9.5
Classificação: 1
Coréia (Norte)
Nota: 1.0
Classificação: 182
Europa & Ásia Central Dinamarca/ Finlândia
Nota: 9.4
Classificação: 2
Uzbequistão
Nota: 1.6
Classificação: 177
Oriente Médio e
Norte da África
Qatar
Nota: 7.2
Classificação: 22
Iraque
Nota: 1.8
Classificação: 175
África do Sub-Saara Botsuana
Nota: 6.1
Classificação: 32
Somália
Nota: 1.0
Classificação: 182
G20 Austrália
Nota: 8.8
Classificação: 8
Rússia
Nota: 2.4
Classificação: 143
OECD Nova Zelândia
Nota: 9.5
Classificação: 1
México
Nota: 3.0
Classificação: 100
UE Dinamarca/ Finlândia
Nota: 9.4
Classificação: 2
Bulgária
Nota: 3.3
Classificação: 86

 


For any press enquiries please contact

Thomas Coombes, Senior Press Officer
Transparency International
T: +49 30 34 38 20 662
E: .(JavaScript must be enabled to view this email address)

Latest

Support Transparency International

Three priorities at the Open Government Partnership summit

This week, the Open Government Partnership is holding its 5th global summit in Tbilisi, Georgia. Transparency International is there in force, pushing for action in three key areas.

Civil society’s crucial role in sustainable development

Key players in the development community are meeting in New York for the main United Nations conference on sustainable development, the High-Level Political Forum (HLPF). Transparency International is there to highlight how corruption obstructs development and report on how effectively countries are tackling this issue.

Comment gagner la lutte contre la corruption en Afrique

Aujourd’hui est la Journée africaine de lutte contre la corruption – une occasion opportunité pour reconnaitre le progrès dans la lutte contre la corruption en Afrique et le travail significatif qui reste encore à accomplir.

How to win the fight against corruption in Africa

African Anti-Corruption Day is an important opportunity to recognise both the progress made in the fight against corruption in Africa and the significant work still left to do.

Increasing accountability and safeguarding billions in climate finance

In December 2015, governments from around the world came together to sign the Paris Agreement, agreeing to tackle climate change and keep global warming under two degrees centigrade. They committed to spend US$100 billion annually by 2020 to help developing countries reduce their greenhouse gas emissions and protect themselves against the potentially devastating effects of climate change.

After Gürtel, what next for Spain’s struggle with political corruption?

At the start of June, the Spanish parliament voted to oust Prime Minister Rajoy after his political party was embroiled in the biggest corruption scandal in Spain’s democratic history. At this critical juncture in Spain’s struggle with political corruption, Transparency International urges all parties to join forces against impunity and support anti-corruption efforts in public life.

Risk of impunity increases with outcome of Portuguese-Angolan corruption trial

A verdict last week by the Lisbon Court of Appeals in the trial of former Angolan vice president Manuel Vicente has disappointed hopes for a triumph of legal due process over politics and impunity. It also has worrying implications for the independence of Portugal’s judiciary.

Social Media

Follow us on Social Media