Cidadãos opinam sobre a corrupção em África

Cidadãos opinam sobre a corrupção em África

A corrupção nos países africanos está a impedir o desenvolvimento económico, político e social do continente. É um grande obstáculo para o crescimento económico, uma boa governança e liberdades básicas, tais como a liberdade de expressão ou o direito dos cidadãos de exigir que os seus governos prestem contas.

Mais do que isso, a corrupção afeta o bem-estar de indivíduos, famílias e comunidades.

A décima edição do Barómetro Global de Corrupção (GCB) – África revela que embora a maioria das pessoas na África acreditem que os níveis de corrupção aumentaram no seu país, elas também se sentem otimistas, pois acreditam que os cidadãos podem fazer a diferença no combate à corrupção

Barómetro Global de Corrupção (GCB) – África | Transparency International

A nossa investigação mostra que mais de metade dos cidadãos acha que a corrupção está a piorar no seu país, e que o seu governo não está a fazer um bom trabalho no combate à corrupção.

O relatório também constatou que mais do que uma em cada quatro pessoas que usam serviços públicos, tais como cuidados de saúde e educação, pagou algum tipo de suborno no ano anterior.

Isso equivale a aproximadamente 130 milhões de cidadãos nos 35 países pesquisados.  

Realizado em parceria com a Afrobarometer e a Omega Research, o Barómetro GCB é o maior e mais detalhado levantamento de opiniões dos cidadãos sobre a corrupção e as suas experiências diretas de suborno em África. A pesquisa incorpora os pontos de vista de mais de 47.000 cidadãos de 35 países em toda a África. 

Instituições e serviços

Os cidadãos acham que a polícia é a instituição mais corrupta, sendo que 47% das pessoas acreditam que a maioria ou toda a polícia é corrupta. Estes resultados são consistentes com as conclusões do relatório de 2015.

Não surpreende o facto de que os relatos revelem de maneira consistente que a polícia recebeu o índice de suborno mais alto em toda a África. Outros serviços públicos, tais como utilidades públicas, incluindo eletricidade, água e emissão de documentos de identificação, tais como licenças e passaportes, também receberam altas taxas de suborno.

Quem está a pagar suborno?

O suborno não afeta todas as pessoas de forma igual. A prática atinge mais significativamente os mais pobres do que os mais ricos. Isso significa que o acesso a cuidados de saúde, educação e proteções legais é muitas vezes negado às pessoas mais pobres, trazendo consequências devastadoras. Os jovens com idades entre 18 e 34 anos são mais propensos a pagar suborno do que as pessoas com 55 anos ou mais.

A pesquisa revela como a corrupção está a afetar mais as pessoas vulneráveis. 

Pagar subornos por serviços públicos essenciais significa que as famílias mais pobres têm menos dinheiro para outras necessidades, tais como comida, água e remédios.

Tomar medidas

Os governos têm um longo caminho a percorrer para reconquistar a confiança dos cidadãos.

No entanto, apesar disso, os cidadãos africanos acham que a mudança é possível.

Os africanos acreditam que podem fazer a diferença. No entanto, os governos devem permitir que tenham espaço para tal.

Paul Banoba Coordenador Regional para a África Oriental Transparency International

Países em foco

Vários países se destacam pelas suas taxas de suborno e níveis de corrupção, incluindo a República Democrática do Congo (RDC) e a Maurícia.

República Democrática do Congo (RDC)

85% dos cidadãos da RDC acreditam que a corrupção está a piorar. Esta é a maior taxa da região.  O país também tem a maior taxa de suborno no continente (80%), sendo que a polícia recebe os mais altos índices de suborno (75%) entre todos os países e setores. 

Maurícia

Em contraste, a Maurícia tem um dos mais baixos índices de suborno da região (5%), sendo que a polícia também recebe uma taxa baixa de suborno (5%). Tendo em vista estes resultados positivos, não surpreende que mais de 55%dos cidadãos da Maurícia acham que as denúncias de casos de corrupção levam às consequências adequadas. 

Integridade política

Como parte da nossa análise, comparamos as opiniões dos cidadãos sobre a corrupção relativamente a membros do parlamento com outros índices, tais como o Índice de Eleições Limpas que mede a corrupção nas eleições nacionais, e encontramos um vínculo direto. 

Mediadores estrangeiros

Atores não-africanos também exercem um papel importante na facilitação da corrupção em África através de subornos e lavagem de dinheiro internacionais.

A corrupção no setor público existe dentro de um contexto. Quando o dinheiro que deveria ser usado para financiar serviços essenciais, tais como saúde e educação, é levado para fora do país devido à corrupção, os cidadãos comuns são os que mais sofrem.

Delia Ferreira Rubio Presidente Transparency International

É demasiado comum que os países que exportam um alto volume de bens e serviços internacionalmente não investiguem ou penalizem as empresas que pagam subornos.

Por sua vez, os líderes políticos fazem acordos com empresas estrangeiras para promover os seus interesses pessoais à custa dos cidadãos que eles representam. 

Recomendações

Combater a corrupção em África requer uma abordagem holística e sistémica. Algumas das nossas principais recomendações aos governos africanos incluem:

  • Ratificar, implementar e reportar de acordo com a Convenção da União Africana sobre Prevenção e Combate à Corrupção (AUCPCC)
  • Investigar, processar e penalizar todos as denúncias de corrupção, sem exceção
  • Desenvolver padrões mínimos e diretrizes para práticas éticas de licitação pública
  • Adotar práticas de contratação aberta, que tornam os dados mais claros e fáceis de analisar
  • Recolher reclamações de cidadãos e fortalecer a proteção dos denunciantes
  • Permitir que a imprensa e a sociedade civil exijam a prestação de contas por parte dos governos

Os governos das principais economias, incluindo os países do G20 e da OCDE, e os centros financeiros offshore devem:

  • Estabelecer registos públicos, com dados abertos, contendo informações sobre os verdadeiros proprietários de empresas e fundos privados
  • Aplicar as leis internacionais de suborno
  • Implementar padrões contra a lavagem de dinheiro

Líderes de empresas no mundo todo devem implementar padrões internacionais contra a corrupção e a lavagem de dinheiro.

Para a lista completa de países pesquisados e informações sobre a abordagem de pesquisa, por favor, veja aqui. As principais conclusões de cada país estão disponíveis aqui.

Image: Zhi Zulu | zhizulu.com

For any press enquiries please contact press@transparency.org

Latest

Support Transparency International

The terrible consequences of police corruption in South Africa

What do we do when those mandated to protect us are serving other interests than public safety and security? In South Africa, police corruption leaves the public exposed to high rates of crime, and causes distrust of the police service while allowing crime to flourish.

Why do DRC citizens report such high levels of corruption?

People's experiences with corruption in the DRC are far worse than in most other African countries. Why is corruption so prevalent in the DRC, why is bribery so commonplace and why do two thirds of citizens feel powerless?

Is Mauritius at a tipping point in the fight against corruption?

According to the latest GCB for Africa, very few Mauritians who accessed public services, like health care and education, had to pay a bribe for those services. But given recent scandals, citizens still see certain groups and institutions as corrupt.

Countries must be more transparent when investigating transnational corruption

Supervisory and justice systems should be transparent and accountable so that the public can assess their performance.

Resilient institutions

Reducing corruption is an important component of the sustainable development agenda, and one that all state parties have an obligation to address. Although corruption is often thought of as a ‘third-world problem’, institutions in the Global North play an important role in the corruption cycle, and are therefore an essential part of the solutions.

In whose interest? Political integrity and corruption in Africa

What accounts for the wide disparity in peoples’ perceptions of the integrity of elected representatives in different countries? In this piece, we will to look at various forms of political corruption, how they manifest in African countries and what can be done to promote political integrity.

Les citoyens africains expriment leur opinion sur la corruption

La 10e édition du Baromètre mondial de la corruption – Afrique révèle que la plupart des Africains pensent que la corruption a augmenté dans leur pays, mais aussi que la majorité d’entre eux s’estiment capables, en tant que citoyens, de changer la donne dans la lutte contre la corruption.

Global Corruption Barometer - Africa 2019

The Global Corruption Barometer (GCB) – Africa reveals that more than half of all citizens surveyed in 35 African countries think corruption is getting worse in their country. 59 per cent of people think their government is doing badly at tackling corruption.

Citizens speak out about corruption in Africa

The Global Corruption Barometer (GCB) – Africa, reveals that while most people in Africa feel corruption increased in their country, a majority also feel optimistic that they can make a difference in the fight against corruption.

Where are Africa’s billions?

National governments aren’t the only ones failing African citizens in the fight against corruption. Foreign actors play a significant role in fuelling and perpetuating corruption in Africa, chipping away at the region’s sustainable development.

Social Media

Follow us on Social Media