Brasil e os Jogos Olímpicos: três passos para revigorar a luta contra a corrupção

Esta semana marca a abertura dos Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro. Mas mesmo se o Rio, uma cidade conhecida pela beleza e o espírito festivo, fizer uma boa apresentação, não vai mascarar a crise que o Brasil e o esporte mundial enfrentam, nem sua principal causa: a corrupção.

Nos dias que antecederam a Copa do Mundo de 2014, também sediada pelo Brasil, milhões de pessoas foram às ruas expressar sua revolta com a corrupção no governo e o custo de sediar o evento. Este ano, há menos protestos, embora pouco tenha mudado.

No Brasil, a presidente enfrenta um processo de impeachment, mais de 50 políticos estão envolvidos no atual escândalo da Petrobras/Operação Lava Jato e o comandante da maior construtora brasileira está atrás das grades.

Nos esportes, o Comitê Olímpico Internacional (International Olympic Committee, IOC) enfrenta seu maior dilema desde 1999, após revelações de doping patrocinado pelo governo na Rússia. E embora os custos dos Jogos Olímpicos Rio 2016 não tenham sido tão excessivos quanto se esperava, houve alegações de corrupção e abuso de direitos humanos.

Não é de surpreender que a confiança nos políticos e nos esportes nunca tenha estado tão baixa. No entanto, não é hora de desistir nem de ceder à fadiga da corrupção.

Na Transparência Internacional, acreditamos que é possível vencer a corrupção nos setores público e privado.

TRANSPARÊNCIA INTERNACIONAL E O ESPORTE

Este ano, a Transparência Internacional dedicou o Relatório de Corrupção Global, o qual traz a experiência do movimento anticorrupção, para tratar de um assunto específico, que é a corrupção no esporte. O Relatório de Corrupção Global: Esporte apresenta mais de 60 artigos dos principais especialistas em integridade no esporte, dando ênfase à governança em organizações esportivas, megaeventos e resultados combinados. O relatório faz uma série de recomendações para governos, organizações esportivas e cidades que avaliam sediar grandes eventos.

Na 8a reunião de Ministros do Esporte da Commonwealth, a ser realizada no Brasil em 4 de agosto, Deryck Murray, presidente do capítulo da Transparência Internacional em Trinidad e Tobago, apresentará as recomendações do Relatório de Corrupção Global: Esporte. Murray é ex-jogador internacional de críquete, diplomata e coautor de Fair Play, as recomendações da Transparência Internacional para a reforma do órgão mundial de gestão do críquete.

Gareth Sweeney, editor do Relatório de Corrupção Global: Esporte, abordará a Associação Americana de Advogados (American Bar Association) no dia 6 de agosto sobre a Nova Arena da Corrupção: Esporte Internacional no Mundo Pós-FIFA.

TRÊS PASSOS QUE PODEM TRAZER MUDANÇAS, RENOVAR AS ESPERANÇAS DO BRASIL E REVIGORAR A LUTA CONTRA A CORRUPÇÃO

  1. Dar continuidade às investigações e ações jurídicas em andamento associadas ao escândalo de corrupção Lava Jato. Não se deixar influenciar pelo debate político polarizado no país, nem permitir a interferência de interesses poderosos que desejam ver o fracasso das investigações;
  2. Acelerar a aprovação pelo Congresso das 10 Medidas Contra a Corrupção propostas pelo Ministério Público e apoiadas pela assinatura de mais de 3 milhões de brasileiros;
  3. Criar um Sistema Nacional Anticorrupção devidamente dotado de recursos, com órgãos de supervisão internos e externos, como um ombudsman e escritórios de procuradores independentes, e que também ofereça um instituto nacional de acesso à informação e apoie unidades anticorrupção no Judiciário.

Nós estamos nos engajando com governos estaduais e institutos de pesquisa de todo o país para testar sistemas inovadores e oferecer meios para que os cidadãos cobrem a responsabilidade dos políticos e vigiem de perto a forma como eles gastam o dinheiro dos contribuintes. A luta contra a corrupção requer o mesmo tipo de estamina e resiliência de que os atletas precisam para ganhar medalhas. Agora não é hora de desistir.

For any press enquiries please contact press@transparency.org

Latest

Support Transparency International

La Justicia española debe investigar el lavado de imagen de Azerbaiyán en Europa

Tres políticos españoles —Pedro Agramunt, Agustín Conde Bajén y Jordi Xuclá— se encuentran entre los delegados ante la Asamblea Parlamentaria del Consejo de Europa (APCE) sobre los que pesan sospechas de haberse beneficiado con la maniobra del “Laundromat”.

Clean up Spain – Justice for Azerbaijan’s reputation laundering in Europe

In Azerbaijan, critical voices are routinely suppressed. Meanwhile in Europe, politicians suspected of helping whitewash Azerbaijan’s record on human rights enjoy impunity. Join our campaign to urge authorities in Spain to investigate.

Everything you need to know about the 18th International Anti-Corruption Conference (#18IACC)

The #18IACC will take place from 22-24 October in Copenhagen, Denmark under the theme Together for Development, Peace and Security: Now is the Time to Act. Get the latest info and updates here!

Risky business: Europe’s golden visa programmes

Are EU Member States accepting too much risk in their investor migration schemes?

Future Against Corruption Award 2018

TI is calling on young people across the globe to join the anti-corruption movement. People between the age of 18 and 35 are invited to submit a short video clip presenting their idea on new ways to fight corruption. Three finalists will be invited to Berlin during the International Anti-Corruption Day festivities to be awarded with the Future Against Corruption Award. Apply today!

The Azerbaijani Laundromat one year on: has justice been served?

In September last year, a massive leak of bank records from 2012 to 2014 showed that the ruling elite of Azerbaijan ran a $3 billion slush fund and an international money laundering scheme. One year on, has enough been done to hold those involved to account?

Right to information: knowledge is power

The right to information is vital for preventing corruption. When citizens can access key facts and data from governments, it is more difficult to hide abuses of power and other illegal activities - governments can be held accountable.

Social Media

Follow us on Social Media