Brasil e os Jogos Olímpicos: três passos para revigorar a luta contra a corrupção

Esta semana marca a abertura dos Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro. Mas mesmo se o Rio, uma cidade conhecida pela beleza e o espírito festivo, fizer uma boa apresentação, não vai mascarar a crise que o Brasil e o esporte mundial enfrentam, nem sua principal causa: a corrupção.

Nos dias que antecederam a Copa do Mundo de 2014, também sediada pelo Brasil, milhões de pessoas foram às ruas expressar sua revolta com a corrupção no governo e o custo de sediar o evento. Este ano, há menos protestos, embora pouco tenha mudado.

No Brasil, a presidente enfrenta um processo de impeachment, mais de 50 políticos estão envolvidos no atual escândalo da Petrobras/Operação Lava Jato e o comandante da maior construtora brasileira está atrás das grades.

Nos esportes, o Comitê Olímpico Internacional (International Olympic Committee, IOC) enfrenta seu maior dilema desde 1999, após revelações de doping patrocinado pelo governo na Rússia. E embora os custos dos Jogos Olímpicos Rio 2016 não tenham sido tão excessivos quanto se esperava, houve alegações de corrupção e abuso de direitos humanos.

Não é de surpreender que a confiança nos políticos e nos esportes nunca tenha estado tão baixa. No entanto, não é hora de desistir nem de ceder à fadiga da corrupção.

Na Transparência Internacional, acreditamos que é possível vencer a corrupção nos setores público e privado.

TRANSPARÊNCIA INTERNACIONAL E O ESPORTE

Este ano, a Transparência Internacional dedicou o Relatório de Corrupção Global, o qual traz a experiência do movimento anticorrupção, para tratar de um assunto específico, que é a corrupção no esporte. O Relatório de Corrupção Global: Esporte apresenta mais de 60 artigos dos principais especialistas em integridade no esporte, dando ênfase à governança em organizações esportivas, megaeventos e resultados combinados. O relatório faz uma série de recomendações para governos, organizações esportivas e cidades que avaliam sediar grandes eventos.

Na 8a reunião de Ministros do Esporte da Commonwealth, a ser realizada no Brasil em 4 de agosto, Deryck Murray, presidente do capítulo da Transparência Internacional em Trinidad e Tobago, apresentará as recomendações do Relatório de Corrupção Global: Esporte. Murray é ex-jogador internacional de críquete, diplomata e coautor de Fair Play, as recomendações da Transparência Internacional para a reforma do órgão mundial de gestão do críquete.

Gareth Sweeney, editor do Relatório de Corrupção Global: Esporte, abordará a Associação Americana de Advogados (American Bar Association) no dia 6 de agosto sobre a Nova Arena da Corrupção: Esporte Internacional no Mundo Pós-FIFA.

TRÊS PASSOS QUE PODEM TRAZER MUDANÇAS, RENOVAR AS ESPERANÇAS DO BRASIL E REVIGORAR A LUTA CONTRA A CORRUPÇÃO

  1. Dar continuidade às investigações e ações jurídicas em andamento associadas ao escândalo de corrupção Lava Jato. Não se deixar influenciar pelo debate político polarizado no país, nem permitir a interferência de interesses poderosos que desejam ver o fracasso das investigações;
  2. Acelerar a aprovação pelo Congresso das 10 Medidas Contra a Corrupção propostas pelo Ministério Público e apoiadas pela assinatura de mais de 3 milhões de brasileiros;
  3. Criar um Sistema Nacional Anticorrupção devidamente dotado de recursos, com órgãos de supervisão internos e externos, como um ombudsman e escritórios de procuradores independentes, e que também ofereça um instituto nacional de acesso à informação e apoie unidades anticorrupção no Judiciário.

Nós estamos nos engajando com governos estaduais e institutos de pesquisa de todo o país para testar sistemas inovadores e oferecer meios para que os cidadãos cobrem a responsabilidade dos políticos e vigiem de perto a forma como eles gastam o dinheiro dos contribuintes. A luta contra a corrupção requer o mesmo tipo de estamina e resiliência de que os atletas precisam para ganhar medalhas. Agora não é hora de desistir.

For any press enquiries please contact press@transparency.org

Latest

Support Transparency International

#18IACC: Call for workshop proposals now open!

The 18th edition of the International Anti-Corruption Conference to take place in Copenhagen from 22-24 October 2018 is thrilled to announce that the call for workshop proposals is now open. Help us shape the #18IACC agenda! Anyone interested in the fight against corruption is welcome to submit a proposal.

Apply Now for Transparency International School on Integrity!

Apply today for the Transparency School 2018 and spend an insightful week with anti-corruption enthusiasts from all over the world!

Blog: Making Summits Meaningful: A How to Guide for Heads of Government

Heads of Government spend a lot of time in glitzy international summits. World leaders shouldn't fly around the world just for a photo op or to announce new commitments they have no intention of keeping. Here's is a how-to guide for Heads of Government to make summits meaningful.

Urging leaders to act against corruption in the Americas

The hot topic at this week's Summit of the Americas is how governments can combat corruption at the highest levels across North and South America.

The impact of land corruption on women: insights from Africa

As part of International Women’s Day, Transparency International is launching the Women, Land and Corruption resource book. This is a collection of unique articles and research findings that describe and analyse the prevalence of land corruption in Africa – and its disproportionate effect on women – presented together with innovative responses from organisations across the continent.

Passport dealers of Europe: navigating the Golden Visa market

Coast or mountains? Real estate or business investment? Want your money back in five years? If you're rich, there are an array of options for European ‘Golden Visas’ at your fingertips, each granting EU residence or citizenship rights.

How the G20 can make state-owned enterprises champions of integrity

For the first time in its presidency of the G20, Argentina is hosting country representatives from across the globe to address the best ways of curtailing corruption and promoting integrity in state-owned enterprises (SOEs).

Europe and Central Asia: More civil engagement needed (Part II)

As follow-up to the regional analysis of Eastern Europe and Central Asia, additional examples from Albania, Kosovo and Georgia highlight the need for more progress in anti-corruption efforts in these countries and across the region.

Lutte contre la corruption en Afrique: Du bon et du moins bon

La publication de la dernière édition de l’Indice de perception de la corruption (IPC) offre un bon point de repère pour situer les efforts de lutte contre la corruption que l’Union africaine (UA) poursuivra tout au long de 2018

No hay cambios en las percepciones pese a los avances en América

En los últimos años, América Latina y el Caribe lograron adelantos significativos en la lucha contra la corrupción. En muchos países de la región existen ahora leyes y mecanismos para contrarrestar este fenómeno, las investigaciones legales están avanzando y los movimientos ciudadanos anticorrupción han incrementado. Sin embargo, de acuerdo con el Índice de Percepción de la Corrupción (IPC) 2017, la región continúa con bajos puntajes.

Social Media

Follow us on Social Media

Would you like to know more?

Sign up to stay informed about corruption news and our work around the world