Brasil e os Jogos Olímpicos: três passos para revigorar a luta contra a corrupção

Esta semana marca a abertura dos Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro. Mas mesmo se o Rio, uma cidade conhecida pela beleza e o espírito festivo, fizer uma boa apresentação, não vai mascarar a crise que o Brasil e o esporte mundial enfrentam, nem sua principal causa: a corrupção.

Nos dias que antecederam a Copa do Mundo de 2014, também sediada pelo Brasil, milhões de pessoas foram às ruas expressar sua revolta com a corrupção no governo e o custo de sediar o evento. Este ano, há menos protestos, embora pouco tenha mudado.

No Brasil, a presidente enfrenta um processo de impeachment, mais de 50 políticos estão envolvidos no atual escândalo da Petrobras/Operação Lava Jato e o comandante da maior construtora brasileira está atrás das grades.

Nos esportes, o Comitê Olímpico Internacional (International Olympic Committee, IOC) enfrenta seu maior dilema desde 1999, após revelações de doping patrocinado pelo governo na Rússia. E embora os custos dos Jogos Olímpicos Rio 2016 não tenham sido tão excessivos quanto se esperava, houve alegações de corrupção e abuso de direitos humanos.

Não é de surpreender que a confiança nos políticos e nos esportes nunca tenha estado tão baixa. No entanto, não é hora de desistir nem de ceder à fadiga da corrupção.

Na Transparência Internacional, acreditamos que é possível vencer a corrupção nos setores público e privado.

TRANSPARÊNCIA INTERNACIONAL E O ESPORTE

Este ano, a Transparência Internacional dedicou o Relatório de Corrupção Global, o qual traz a experiência do movimento anticorrupção, para tratar de um assunto específico, que é a corrupção no esporte. O Relatório de Corrupção Global: Esporte apresenta mais de 60 artigos dos principais especialistas em integridade no esporte, dando ênfase à governança em organizações esportivas, megaeventos e resultados combinados. O relatório faz uma série de recomendações para governos, organizações esportivas e cidades que avaliam sediar grandes eventos.

Na 8a reunião de Ministros do Esporte da Commonwealth, a ser realizada no Brasil em 4 de agosto, Deryck Murray, presidente do capítulo da Transparência Internacional em Trinidad e Tobago, apresentará as recomendações do Relatório de Corrupção Global: Esporte. Murray é ex-jogador internacional de críquete, diplomata e coautor de Fair Play, as recomendações da Transparência Internacional para a reforma do órgão mundial de gestão do críquete.

Gareth Sweeney, editor do Relatório de Corrupção Global: Esporte, abordará a Associação Americana de Advogados (American Bar Association) no dia 6 de agosto sobre a Nova Arena da Corrupção: Esporte Internacional no Mundo Pós-FIFA.

TRÊS PASSOS QUE PODEM TRAZER MUDANÇAS, RENOVAR AS ESPERANÇAS DO BRASIL E REVIGORAR A LUTA CONTRA A CORRUPÇÃO

  1. Dar continuidade às investigações e ações jurídicas em andamento associadas ao escândalo de corrupção Lava Jato. Não se deixar influenciar pelo debate político polarizado no país, nem permitir a interferência de interesses poderosos que desejam ver o fracasso das investigações;
  2. Acelerar a aprovação pelo Congresso das 10 Medidas Contra a Corrupção propostas pelo Ministério Público e apoiadas pela assinatura de mais de 3 milhões de brasileiros;
  3. Criar um Sistema Nacional Anticorrupção devidamente dotado de recursos, com órgãos de supervisão internos e externos, como um ombudsman e escritórios de procuradores independentes, e que também ofereça um instituto nacional de acesso à informação e apoie unidades anticorrupção no Judiciário.

Nós estamos nos engajando com governos estaduais e institutos de pesquisa de todo o país para testar sistemas inovadores e oferecer meios para que os cidadãos cobrem a responsabilidade dos políticos e vigiem de perto a forma como eles gastam o dinheiro dos contribuintes. A luta contra a corrupção requer o mesmo tipo de estamina e resiliência de que os atletas precisam para ganhar medalhas. Agora não é hora de desistir.

For any press enquiries please contact press@transparency.org

Latest

Support Transparency International

Civil society’s crucial role in sustainable development

Key players in the development community are meeting in New York for the main United Nations conference on sustainable development, the High-Level Political Forum (HLPF). Transparency International is there to highlight how corruption obstructs development and report on how effectively countries are tackling this issue.

Comment gagner la lutte contre la corruption en Afrique

Aujourd’hui est la Journée africaine de lutte contre la corruption – une occasion opportunité pour reconnaitre le progrès dans la lutte contre la corruption en Afrique et le travail significatif qui reste encore à accomplir.

How to win the fight against corruption in Africa

African Anti-Corruption Day is an important opportunity to recognise both the progress made in the fight against corruption in Africa and the significant work still left to do.

Increasing accountability and safeguarding billions in climate finance

In December 2015, governments from around the world came together to sign the Paris Agreement, agreeing to tackle climate change and keep global warming under two degrees centigrade. They committed to spend US$100 billion annually by 2020 to help developing countries reduce their greenhouse gas emissions and protect themselves against the potentially devastating effects of climate change.

After Gürtel, what next for Spain’s struggle with political corruption?

At the start of June, the Spanish parliament voted to oust Prime Minister Rajoy after his political party was embroiled in the biggest corruption scandal in Spain’s democratic history. At this critical juncture in Spain’s struggle with political corruption, Transparency International urges all parties to join forces against impunity and support anti-corruption efforts in public life.

Risk of impunity increases with outcome of Portuguese-Angolan corruption trial

A verdict last week by the Lisbon Court of Appeals in the trial of former Angolan vice president Manuel Vicente has disappointed hopes for a triumph of legal due process over politics and impunity. It also has worrying implications for the independence of Portugal’s judiciary.

The UK just made it harder for the corrupt to hide their wealth offshore

If counted together, the United Kingdom and its Overseas Territories and Crown dependencies would rank worst in the world for financial secrecy. Fortunately, this could soon change.

Social Media

Follow us on Social Media